Tomás responde: A avareza é sempre pecado mortal?

Rembrandt_-_Parabola_rico_insensatoRembrandt, Parábola do Rico Insensato (1627)

Parece que a avareza é sempre pecado mortal:

1. Com efeito, ninguém é digno de morte, a não ser por pecado mortal. Ora, Paulo, depois de ter falado daqueles que estão “cheios de iniquidade, de malícia, de fornicação e de avareza…” (Rm 1, 29), acrescenta: “os que agem desta forma são dignos de morte”. Logo, a avareza é um pecado mortal.

2. Além disso, o mínimo na avareza consiste em guardar de modo desordenado seus próprios bens. Mas isto parece ser pecado mortal, segundo Basílio: “O pão que guardas é o pão do faminto, a túnica que conservas é a de quem está nu, o dinheiro que possuis é do indigente. E assim, tudo o que poderias ostentar são outras tantas injúrias feitas a outros”. Ora, injuriar o outro é pecado mortal, porque se opõe ao amor do próximo. Logo, mais do que qualquer outro vício, a avareza é pecado mortal.

3. Ademais, ninguém fica afetado de cegueira espiritual a não ser pelo pecado mortal, que priva a alma da luz da graça. Ora, segundo Crisóstomo, as trevas da alma são a cobiça do dinheiro. Logo, a avareza, que é a cobiça do dinheiro, é pecado mortal.

EM SENTIDO CONTRÁRIO, a respeito do seguinte texto: “quem constrói sobre este alicerce…”, a Glosa diz que “aquele que se preocupa com os cuidados do mundo e que procura agradar ao mundo, o que constitui o pecado da avareza, constrói sobre a madeira, o feno e a palha”. Ora, o homem que constrói sobre a madeira, o feno e a palha, não comete pecado mortal, mas venial. Pois dele está dito que será salvo, mas como que através do fogo. Logo, a avareza é, às vezes, pecado venial.

Tomas_RespondoA avareza pode ter dupla acepção. Numa, ela se opõe à justiça, e é então, por sua natureza, pecado mortal; a avareza, nesta concepção, consiste na aquisição ou retenção injusta de bens alheios, o que constitui roubo ou furto, que são pecados mortais, como ficou demonstrado. Mas pode ocorrer, neste gênero de avareza, que o pecado seja venial, por causa a imperfeição do ato, como se falou ao tratar do furto.

Na outra acepção, a avareza pode ser considerada como oposta à liberalidade e, neste caso, implica um amor desordenado às riquezas. Se o amor desordenado às riquezas for de tal monta que se sobreponha à caridade, levando alguém a, por amor às riquezas, agir contra o amor de Deus e do próximo, neste caso a avareza será pecado mortal. Mas se, embora amando desordenadamente as riquezas temporais, o homem não antepuser este amor ao amor divino, e se este amor às riquezas não o levar a praticar atos contra Deus ou contra o próximo, neste caso a avareza será pecado venial.

Quanto às objeções iniciais, portanto, deve-se dizer que:

1. A avareza é enumerada entre os pecados mortais quando ela preenche todas as condições para ser pecado mortal.

2. Basílio se refere àquele caso em que alguém é obrigado, por dívida legal, a distribuir seus bens aos pobres, seja em situação de emergência, seja pelo fato e possuir riquezas em excesso.

3. A cobiça da riqueza entenebrece a alma quando exclui a luz da caridade, levando-o a preferir o amor das riquezas ao amor divino.

Santo Tomás de Aquino, Suma Teológica II-II, q. 118, a.4

Anúncios

One Response to Tomás responde: A avareza é sempre pecado mortal?

  1. xepa2182 says:

    Mayana. On Qui 14/08/14 07:02 , “Suma Teológica – Summae Theologiae”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: