Perseguição hoje: Vietnam – Assassinato e repressão religiosa

Repressão socialista mata dúzias de cristãos no Vietnam

24, julho, 2011

Luis Dufaur

Pelo menos 49 cristãos vietnamitas da etnia Hmong foram mortos, centenas ficaram feridos e um número inverificável deles foram presos ou estão desaparecidos.

Esse é o balanço da sanguinária repressão desencadeada pelos Exércitos do Povo do Vietnam e do Laos numa região de fronteira, noticiouAsiaNews.

Em 30 de abril, em Muong Nhe, província de Dien Bien, 8.500 Hmong se reuniram para rezar, pedir a devolução das terras e liberdade religiosa. Naquele momento sofreram o ataque militar. Segundo Christy Lee, diretor executivo de Hmong Advance Inc. (HAI), de Washington, D.C., os presos “poderão ser torturados ou assassinados, ou simplesmente desaparecer”. A energia elétrica e as comunicações foram interrompidas na região.

Propaganda comunista oficial

Entre os presos há alguns ministros extraordinários da Eucaristia que atendem quatro comunidades católicas da região.

Na região os fiéis católicos praticam a religião na clandestinidade porque a violação da liberdade religiosa é a mais violenta do país.

Os últimos sacerdotes católicos só conseguiram entrar em Muong Nhe se apresentando como turistas. Mas, ficaram sob vigilância ininterrupta sendo acompanhados por policiais que os vigiavam para impedir qualquer tentativo de evangelização.

Os Hmong são perto de 790 mil e durante as guerras lutaram do Leia mais deste post

Perseguição hoje: China – Candidato a ordenação episcopal detido

China: candidato a ordenação episcopal legítima é detido
E sacerdote fiel a Pequim é ordenado bispo sem aprovação do Papa

HONG KONG, sexta-feira, 1º de julho de 2011 (ZENIT.org) – A detenção de um sacerdote fiel a Roma, neste domingo, 26 de junho, impediu sua ordenação episcopal, acordada pelo Vaticano e por Pequim para o dia 29 de junho – dia em que precisamente foi ordenado um bispo fiel à Associação Católica Patriótica Chinesa, sem a aprovação da Santa Sé.

O sacerdote detido, que ainda se encontra em paradeiro desconhecido, Joseph Sun Jigen, se tornaria, nesta quarta-feira, bispo coadjutor de Handan (Hebei), no norte da China.

Mas este bispo eleito, de 43 anos, foi detido pela polícia três dias antes da sua consagração episcopal, justamente quando havia finalizado um retiro espiritual de cinco dias, segundo informou a agência AsiaNews.

Sua ordenação episcopal havia sido aprovada pela Santa Sé e reconhecida pelo governo chinês.

Nos últimos dias, representantes diocesanos haviam estado negociando com oficiais das autoridades locais e provinciais sobre a organização da ordenação episcopal, mas não conseguiram chegar a um acordo.

Neste difícil contexto, o bispo de Handan, que ordenaria o sacerdote detido e que já tem 89 anos, sofreu um ataque ao coração e teve de ser Leia mais deste post

Perseguição hoje: França – Mais uma igreja profanada

Em Arc-et-Senans, França, mais uma igreja é profanada

29, junho, 2011

Rodrigo Amorim

Mais uma profanação realizou-se na filha primogênita da Igreja: a França.

Na pequena cidade de Arc-et-Senans, satanistas invadiram uma igreja, arrombaram a porta do tabernáculo com um crucifixo, espalharam hóstias consagradas por toda a Igreja, escarraram e urinaram no altar. No entanto, “nada foi roubado.”(1) A missão era profanar e a assim a cumpriram.

Infelizmente, notícias assim vão se tornando comum na França. O curioso é que essa perseguição frontal e declarada só é feita contra a Igreja Católica, e que os grandes meios de comunicação pouco ou quase nada divulgam.

Como seria bom ver uma nova contra ofensiva católica ao mal. O medo de tal iniciativa talvez explique o silêncio dos jornais.

Mas o mais triste ainda é ver o silêncio daqueles que foram chamados por Deus para instruir os fiéis. Para que os católicos resistam a essa grande provação e saibam como agir com sabedoria, é necessária a ação da Igreja, com sua assistência direta e sobrenatural. Mas se for depender do atual estado de espírito que uma parte do clero, infelizmente, nada será feito…

Em todo caso, rezemos em reparação ao Santíssimo Sacramento profanado e para que Nossa Senhora converta ou castigue os autores dessa atrocidade.

Fonte: IPCO

Santo Tomás de Aquino, Suma Teológica, Igreja

Perseguição hoje: Vietnã – Violência e perseguição governamental

ROMA, domingo, 26 de junho de 2011 (ZENIT.org) – A liberdade religiosa tem aumentado um pouco no Vietnã, mas ainda depende do capricho do governo. Mais do que falar em liberdade religiosa, afirma o padre Bernardo Cervellera, teríamos que falar de “uma certa tolerância religiosa”.

O diretor da AsiaNews dá entrevista ao programa Deus chora na Terra, da Catholic Radio and Television Network (CRTN), em colaboração com Ajuda à Igreja que Sofre.

– 10% da população do Vietnã é católica. As coisas melhoraram, mas a liberdade religiosa no Vietnã de hoje é possível mesmo?

– Padre Cervellera: Melhorou um pouco, sim. Por exemplo, os seminários, que antes tinham um limite, um número fixo de candidatos, agora foram abertos, e nós temos muitas vocações. Também existe uma certa tolerância do governo, com o atendimento médico que é feito pelas irmãs, por exemplo, e com a educação nas creches, essas coisas. Eu diria tolerância, não permissão. Mas de alguma forma existe mais liberdade, só que todas essas liberdades dependem da boa vontade do governo, que às vezes vai permitir e às vezes não vai.

– Ainda existe violência contra os cristãos?

– Padre Cervellera: Em algumas regiões, como o norte, e nas tribos das montanhas, ainda existe violência. Em Sung La e em outras dioceses, e em outras cidades menores, vilarejos, os católicos não podem celebrar missa no natal nem na páscoa, e é proibido ter catequese e ensinar a fé para os filhos, porque o governo local não permite nenhuma expressão de fé. Na prática, eles querem Leia mais deste post

Perseguição hoje: jovem católico morto no Cairo

O jovem católico Abanob Karam foi morto com um tiro no Cairo durante distúrbios anticristãos atiçados por extremistas islâmicos. “Quando chegou em casa, percebeu que havia problemas na igreja vizinha, de São Minas; deixou sua mochila e saiu para defender sua igreja” – narrou o Pe. Renzo Leonarduzzi. As atuais revoluções do Norte da África empregaram termos como “democracia” e “liberdade”. Contudo, por trás dos movimentos “populares” atuam fundamentalistas da conhecida “Fraternidade Muçulmana”, que progridem mais rápida e eficazmente pela falaciosa ostentação de aparência democrática, do que se o fizessem através da posição extremada do islamismo.

Fonte: revista Catolicismo – Junho 2011

Santo Tomás de Aquino, Suma Teológica, Igreja

 

Perseguição hoje: Indonésia – mais de 200 ataques a Igrejas desde 2006

Presidente da Indonésia “dorme” enquanto muçulmanos atacam igrejas cristãs

KONIGSTEIN, 15 Jun. 11 (ACI) .- Theophilus Bela, presidente do Jakarta Christian Community Forum da Indonésia, denunciou que o presidente deste país asiático, Susilo Bambang Yudhoyono, “dorme e também a polícia”, enquanto extremistas muçulmanos atacam igrejas cristãs. Desde ano 2006 registraram-se mais de 200 ataques.

Em um relatório enviado à organização católica internacional, Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), Bela explica que nos cinco primeiros meses de 2011 os radicais muçulmanos protagonizaram 14 ataques contra as igrejas cristãs, enquanto que em 2010 foram um total de 46.

O ativista criticou o presidente Yudhoyono e seu governo por não tomar as medidas necessárias diante desta constante ameaça: “O presidente Yudhoyono dorme se houver um ataque às igrejas cristãs. Se o presidente dormir, a polícia também o faz”, alertou.

Desde que o mandatário assumiu o cargo em maio de 2004, registraram-se um total de 286 ataques a igrejas cristãs. Deste modo, Bela advertiu que entre os membros do governo há um líder muçulmano extremista. “Tenho a impressão de que o Sr. Yudhoyono teme o seu próprio ministro dos assuntos religiosos que pertence a um partido político islâmico”.

“Além disso, –acrescenta,– parece que o mandatário duvida sobre proteger os cristãos”, que na Indonésia são pouco mais de Leia mais deste post

Perseguição hoje: Paquistão – jovem católica sequestrada e islamizada

Igreja Católica no Paquistão se mobiliza para libertar jovem católica seqüestrada e islamizada a força

ROMA, 14 Jun. 11 (ACI) .- “A Igreja Católica no Paquistão está fazendo de tudo para libertar Farah e restituí-la à sua família” afirmou Dom Andrew Francis, Bispo de Multan, diocese onde Farah Hatim, uma jovem católica foi seqüestrada na cidade de Rahim Yar Khan (sul da província de Punjab), forçada a casar com um muçulmano e converter-se ao Islã.

Em declarações à Agência Fides, Dom Francis disse que “nos últimos dias, a pressão da sociedade civil e da comunidade internacional cresceu e a Igreja do Paquistão começa a alimentar a esperança pela a libertação da menina: A Comissão “Justiça e Paz” foi ativada e usará todos os meios à sua disposição”.

“Estamos mantendo conatos com altos funcionários da polícia para tentar destravar esta triste questão. Estou confiante numa solução positiva. Temos muita confiança em Deus e nos frutos da nossa oração”, confidenciou à agência vaticana Fides o Bispo de Multan.

A Comissão “Justiça e Paz” da Conferência Episcopal do Paquistão está concluindo sua investigação do caso, que é emblemático de um fenômeno generalizado: acredita-se que pelo menos 700 jovens cristãs são seqüestradas e islamizadas a força anualmente. 

Segundo fontes da agência Fides, para o próximo passo para definir o caso, a Igreja poderá tentar uma Leia mais deste post

Perseguição hoje: Iraque – Violência generalizada contra cristãos

Iraque: desânimo dos cristãos com a violência
Já não acreditam em um futuro para o seu país

.

ROMA, terça-feira, 14 de junho de 2011 (ZENIT.org) – O assassinato de um cristão ortodoxo, pai de 4 filhos, ocorrido em 31 de maio em Mossul, aumentou a sensação de pessimismo entre os cristãos sobre a perspectiva de um futuro de paz no Iraque.

O arcebispo caldeu Bashar Warda, de Erbil, no norte curdo do país, compartilhou suas impressões em uma entrevista concedida à associação caritativa católica Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), que assiste os cristãos perseguidos.

O prelado contou que o assassinato ocorrido levou alguns de seus fiéis a acharem que já “não há futuro” para seu país de origem e que, no entanto, é perigoso ir embora para outros países vizinhos, devido ao conflito político em que vivem.

Arakan Yacob foi a última vítima de uma série de ataques contra os cristãos no Iraque. Já havia sido objeto de tentativas de sequestro e, na terceira delas, os delinquentes alcançaram seu objetivo, tomando-o como refém. Três semanas antes, outro jovem cristão, de 29 anos de idade, Ashur Yacob Issa, foi raptado e assassinado, depois de sua família não poder pagar o resgate de mais de 100 mil dólares exigido pelos sequestradores.

Dom Warda contou que, desde 2002, mais de 570 cristãos foram assassinados em episódios de violência religiosa ou política. Entre 2006 e 2010, 17 sacerdotes iraquianos e 2 bispos foram Leia mais deste post

Perseguição hoje: Paquistão – censura, rapto e estupro

Extremistas paquistaneses querem proibir a Bíblia
Continuam os ataques contra os cristãos, especialmente no Punjab

Por Paul de Maeyer

ROMA, domingo, 12 de junho de 2011 (ZENIT.org) – Abdul Rauf Faruqi, chefe do partido islamista radical JUI-S (Jamiat-Ulema-e-Islam, Sami-ul-Haq Group, uma cisão do JUI original), anunciou a apresentação de um recurso ao Tribunal Supremo do Paquistão pedindo a proibição da bíblia no país. A novidade foi divulgada em entrevista coletiva na mesquita Mazhid-e-Khizra, em Lahore, capital da tensa província do Punjab, em 31 de maio, conforme informações do diário paquistanês The News.

Para o líder do grupo fundamentalista, que é próximo dos movimentos jihadistas entre os quais se inclui o talibã, o livro sagrado do cristianismo deve ser considerado “blasfemo”, porque é contaminado de passagens ou “acréscimos” altamente ofensivos para os muçulmanos. Segundo Faruqi, os “acréscimos” em questão atribuem comportamentos imorais a vários profetas considerados santos pelo islã e constituem uma “corrupção” da versão original da bíblia.

O clérigo radical afirma que seus colegas ulemás (doutores muçulmanos) querem vingar a profanação do alcorão pelo pastor protestante norte-americano Terry Jones, mas sem queimar a bíblia. Depois de um breve “processo” e com ajuda de outro pastor, Jones queimou publicamente na Flórida, em 20 de março, um exemplar do alcorão, provocando uma Leia mais deste post

Perseguição hoje: Argélia – 5 anos de prisão por causa de um CD

Por Paul de Maeyer

ROMA, sexta-feira, 10 de junho de 2011 (ZENIT.org). “Ele deu um CD para um vizinho e vai sofrer cinco anos de cadeia”. Com estas poucas palavras, o pastor Mustapha Krim, presidente da Igreja Protestante da Argélia (EPA, na sigla em francês), resumiu para a Compass Direct News (30 de maio) a condenação do cristão evangélico Siaghi Krimo.

O tribunal do distrito ou cité de Djamel, em Oran, cidade portuária a 470 quilômetros a oeste da capital Argel, condenou o cristão a uma pena de cinco anos de cadeia e multa de 200.000 dinares (quase 2.760 dólares) por ter “ofendido” o Profeta. Krimo, casado e pai de uma menina de 9 meses, teve dez dias para apelar. A condenação foi sentenciada no último 25 de maio.

O homem foi preso com outro cristão, Sofiane, pelos serviços de segurança da Argélia, em 14 de abril. Solto depois de três dias, Krimo foi levado ao tribunal em 4 de maio. Quem acusou o cristão de proselitismo e blasfêmia contra o profeta Maomé foi seu vizinho muçulmano, a quem Krimo dera um CD e com quem discutira sobre a fé cristã.

Chama a atenção que todo o processo contra Krimo se desenrolou em ausência da única testemunha da suposta blasfêmia: o próprio vizinho muçulmano. Também faltou qualquer tipo de provas materiais. Este “detalhe” não impediu o juiz de ir além da pena exigida pelo representante da fiscalização. A pena preventiva proposta era de Leia mais deste post

Perseguição hoje: Igreja Ortodoxa Russa condena cristianofobia

SÃO PETERSBURGO, quarta-feira, 8 de junho de 2011 (ZENIT.org) – A discriminação religiosa só poderá ser vencida por meio da ampliação de um diálogo que envolva os Estados, as organizações internacionais, as diversas confissões e os representantes da sociedade civil.

O sínodo da Igreja Ortodoxa Russa expressa isso em um recente documento que trata, com “profunda inquietude”, do aumento dos episódios de cristianofobia no mundo, segundo informa oL’Osservatore Romano.

Para o patriarcado de Moscou, a cristianofobia “se manifesta sobretudo quando as diferenças religiosas são utilizadas com fins políticos, principalmente por grupos extremistas cujos objetivos são incompatíveis com o bem da sociedade em seu conjunto”.

Este tipo de manifestações “merece uma condenação explícita de todas as forças regulares da sociedade, inclusive dos representantes de instituições públicas e responsáveis religiosos”. Daí surge o apelo da Igreja Ortodoxa Russa – dirigido à comunidade internacional, aos responsáveis religiosos e a todas as autoridades públicas – a “elaborar mecanismos integrais e eficazes de defesa dos cristãos e das comunidades cristãs que sofrem perseguições ou restrições em sua existência e em suas atividades religiosas”.

No documento adotado em São Petersburgo, o sínodo do patriarcado de Moscou recorda os recentes acontecimentos que tiveram lugar na cidade egípcia de Giza, onde “se queimaram igrejas cristãs e morreram fiéis da Igreja copta durante as Leia mais deste post

%d blogueiros gostam disto: