Perseguição hoje: por quanto tempo ainda o mundo continuará a ignorar os massacres de cristãos na Nigéria?

Nigéria: 90 mortos em novo massacre de cristãos
Assassinado também um senador cristão

ROMA, segunda-feira, 9 de julho de 2012 (ZENIT.org) – A violência não para na Nigéria. Desta vez, no estado de Plateau, foram encontrados cinquenta cadáveres queimados em uma igreja. Durante os funerais das vítimas, acabou sendo assassinado também um político cristão.

Homens armados atacaram neste fim de semana diversos povoados cristãos perto da cidade de Jos. De acordo com informações da agência Nova China, as vítimas são pelo menos noventa. A agência informa ainda que os cinquenta cadáveres carbonizados foram achados em uma igreja da aldeia de Matsai, e que durante a tarde de sábado, enquanto a cidade de Jos realizava o funeral conjunto das vítimas, um grupo armado abriu fogo matando vinte pessoas.

A BBC acrescenta que, no mesmo sábado, houve diversos ataques de grupos armados contra várias aldeias cristãs. A imprensa local cita as aldeias de Kakuruk, Kuzen, Ngyo, Kogoduk, Ruk, Dogo, Kufang, Kpapkpiduk e Kai.

O jornal Herald Tribune, citando o porta-voz do governador do estado, divulgou que entre os mortos estão o senador do estado de Plateau, Gyang Dantong, e o líder da maioria parlamentar do estado, Gyang Fulani.

As autoridades acusam os pastores da tribo fulani, de religião muçulmana. Os representantes da comunidade, porém, citados pela imprensa local, negam a acusação e afirmam que foram os militares nigerianos que atacaram os membros da tribo.

Jonah Jang, governador do estado de Plateau, decretou toque de recolher noturno em quatro regiões. O presidente da Nigéria, David Mark, definiu o ataque como assassinato, afirmando: “Como nação, nós temos que nos levantar contra aqueles que querem nos fazer voltar ao estado selvagem, no qual a vida não tinha valor”.

Perseguição hoje: ataques terroristas a igrejas na Nigéria

Outro domingo de sangue na Nigéria
A nova violência anti-cristã atacou duas igrejas em Jos e Biu

Godonu Anthony Gbenayon

ROMA, terça-feira, 12 de junho de 2012(ZENIT.org) – Na Nigéria, continua a violência contra os cristãos, domingo, 10 de junho, foram duas igrejas: a primeira situada na cidade de Jos e a segunda na cidade de Biu, no nordeste do país mais populoso da África, provocando alguns mortos e muitos feridos.

Na cidade de Jos, local do Estado Central de Plateau, um atentado suicida explodiu a entrada da Lord´s Chosen Church,em Rukuba Road, matando além do suicida uma mulher.

Na represália por parte dos jovens da região, foram mortas outras cinco pessoas, segundo a força de segurança da Special Task Force(STF).  De acordo com a nota da declaração assinada por um funcionário do STF, Mdheyla Marcus, 28 fiéis foram feridos na explosão, que causou o desabamento do prédio.

Outro ataque aconteceu na cidade de Biu, no estado de Borno, um grupo de homens assaltou uma igreja matando diversos fiéis. “Três homens armados entraram no perímetro da igreja e começaram a disparar contra as pessoas fora da igreja, antes de entrar no edifício principal para finalizar os assassinatos”, disse a testemunha ocular, Hamidu Wakawa, que no momento dos fatos estava na igreja. “Muitas pessoas foram mortas e feridas”, acrescentou.

Domingo, 3 de junho, um terrorista suicida entrou com Leia mais deste post

Perseguição hoje – Nigéria: doze mortos em atentado muçulmano contra igreja

Muçulmanos explodem bomba para fora de igreja católica na Nigéria

ROMA, 13 Mar. 12 (ACI/EWTN Noticias) .- Um grupo de doze de pessoas morreram e outras 26 resultaram feridas em um atentado realizado na manhã deste domingo, 11, com um carro bomba contra o templo católico de Saint Finbarr, nos subúrbios de Jos (Nigéria). O ato foi atribuído a extremistas islâmicos no país.

Embora nenhum grupo ainda tenha assumido a autoria do atentado até o momento, suspeita-se da seita Boko Haram, que pretende converter ao islã o país inteiro.

Em entrevista com a agência vaticana Fides, o Arcebispo do Jos, Dom Ignatius Ayau Kaigama expressou: “Suspeitamos que sejam membros da Boko Haram, mas ninguém no momento pode dizer se os criminosos que cometeram o atentado de domingo são pessoas do local ou provenientes de outros lugares”. 

Dom Kaigama questionou o propósito de quem ataca as Igrejas:  “Pergunto-me qual é o objetivo que essa gente pretende atingir, atacando igrejas. Lembro-me que há duas semanas apenas, sempre em Jos, foi atingida com uma modalidade parecida uma igreja protestante”.

Os escoteiros impediram que o ataque suicida tivesse conseqüências ainda mais graves. “Ontem de manhã, os escoteiros estavam na porta da paróquia quando chegou um carro-bomba com o terrorista suicida a bordo. Eles o pararam e começaram a fazer-lhe algumas perguntas. Em seguida, houve a Leia mais deste post

Perseguição hoje: Atentados a igrejas matam 40 na Nigéria

Chega a 40 o número de mortos em ataques a igrejas na Nigéria

Ataques a bomba atingiram igrejas durante celebrações de Natal no país.
Porta-voz de grupo islâmico Boko Haram assumiu a autoria dos atentados.

 Da France Presse

Ataques a bomba contra igrejas durante as celebrações de Natal mataram 40 pessoas neste domingo na Nigéria, em meio à crescente violência, reivindicada por um grupo islâmico.

A seita islamita Boko Haram assumiu a autoria do atentado contra uma igreja de Madalla, perto da capital, Abuja, que matou 35 pessoas, enquanto três novas explosões foram registradas em igrejas do país, uma delas na igreja evangélica da cidade de Jos (centro), na qual morreu um policial que vigiava o templo, e em Damaturu, onde quatro pessoas faleceram.

“Somos responsáveis por todos os ataques dos últimos dias, inclusive a bomba na igreja de Madalla”, disse, em declarações por telefone, um porta-voz da Boko Haram, Abul Qaqa.

“Continuaremos lançando ataques como estes no norte do país nos próximos dias”, advertiu a fonte.

Homens olham para dentro de um carro que explodiu próximo a uma igreja católica em Abuja, capital da Nigéria, neste domingo (25) (Foto: AFP)Homens olham para dentro de um carro que explodiu próximo a uma igreja católica em Abuja, capital da Nigéria, neste domingo (25) (Foto: AFP)

Segundo o padre Christopher Bard, a explosão em Madalla aconteceu ao final da missa de Natal.

O ministro do Interior, Caleb Olubolad, que visitou uma das igrejas atacadas, disse que “é como se ocorresse uma guerra interna no país”. “Devemos estar realmente à altura e enfrentar a situação”.

Na quinta e na sexta-feiras, confrontos entre o grupo, que promove a criação de um Estado islâmico na Nigéria, e forças de ordem no nordeste do país deixaram 100 mortos.

Vaticano
Segundo o porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, o ataque foi fruto de um “ódio cego e absurdo”.

“O atentado contra a igreja na Nigéria, precisamente no dia de Natal, manifesta infelizmente mais uma vez um ódio cego e absurdo que não tem nenhum Leia mais deste post

%d blogueiros gostam disto: