Diálogo com El Greco

El Greco, O Sepultamento do Conde de Orgaz (veja texto abaixo)

Entrou um homem, vestido à moda castelhana do século XVI. Eu o interpelei.

– Senhor, gostaria de olhar por trás desse véu.

Sem dizer palavra, o homem se aproximou, afastou o véu que cobria um grande quadro, e deu dois passos atrás. Eu estava realmente em Toledo, diante da obra-prima de El Greco, L’Enterrement du comte d’Orgaz [O sepultamento do conde de Orgaz]. Contemplei, sem dizer uma palavra. Meu olhar passava da terra ao céu. O homem que havia afastado o véu rompeu por primeiro o silêncio.

– É a primeira vez que vem a Toledo, senhor?

– Oh não! A primeira vez foi em 1924. Eu tinha vinte e três anos. Eu vinha já para O sepultamento do conde. Naquela época, a sala não era tão iluminada como hoje. O quadro estava mergulhado na obscuridade. Para vê-lo, era preciso acender uma pequena lâmpada. Eu ainda me vejo. Ao clarão da chama, na fumaça luminosa, aos reflexos do latão, descobri a terra e os cavaleiros, o céu e os anjos e a alma do conde que subia da terra ao céu. Assim, ia eu do tempo à eternidade e da eternidade ao tempo, como os anjos do sonho de Jacó, que sobem e descem ao longo da escada estendida da terra ao céu. No alto, a Virgem me acolhia. Em baixo, havia um extático em oração. A armadura do conde era tão fria quanto seu rosto de pedra. Um bispo vestido com uma casula de ouro. Os rostos tinham a gravidade dos mais altos mistérios.

– Por que evocar essa lembrança?

– Naquele tempo, ninguém podia abarcar de uma só olhada todo o quadro. Era preciso ir de um lugar a outro e, às vezes, raciocinar para recompor o todo graças à imaginação. Hoje, ele se oferece a mim inteiramente de um só golpe. É a imagem da diferença entre nosso conhecimento aqui de cima e aquele lá de baixo.

– Guitton, você gosta de ver?

– Quando eu vivia no mundo, eu não gostava de ver. Preferia ter visto. Hoje, prefiro ver. (Pausa). É curioso, eu lhe falo desde o além e isso lhe parece normal. Ademais, você está vestido de uma maneira engraçada. Estamos no século XXI. É o carnaval? Quem é você?

– Eu sou El Greco.

– Você é El Greco!

– Tão verdadeiro quanto você é Jean Guitton. Você está sendo sepultado em Paris e você se encontra em julgamento. Eu gosto disso. Então, dado que você veio a Toledo, eu vim para Leia mais deste post

Diálogo com Bergson

O filósofo Jean Guitton (1901-1999)

– Guitton, por que você acredita em Cristo?

– Mestre, que poderia eu dizer que você já não saiba e numa luz muito mais alta!

– Responda-me, Guitton. Não é para mim, é para você. A santa frisou bem que seria preciso que você mesmo respondesse. Guitton, por que você acredita em Cristo?

– Porque me é sempre difícil crer nele.

– Explique-me isso.

– Nada mais simples. Sou um homem religioso. Estudei muito Plotino, fiz minha tese sobre ele. Na minha opinião, Plotino é o paradigma do homo naturaliter religiosius [homem naturalmente religioso], e até mesmo do homo naturaliter mysticus [homem naturalmente místico].

– Estou de pleno acordo com você.

– A religião natural é uma ascensão do homem para Deus. Ela propõe uma auto-realização do homem. Deus é uma meta, como o cume da montanha é uma meta para o alpinista.

– Isso não se encontraria também no cristianismo? São João da Cruz não fala disso na Subida ao Monte Carmelo?

– É verdade, Bergson. Apesar de tudo, no cristianismo, Deus se impõe. Não é que ele nos tiranize, mas, de qualquer forma, Ele entra em nossa vida sem nos pedir autorização. Nós gostaríamos de organizar tranquilamente nossa subida em direção ao Céu. Deus toma a liberdade de descer do Céu sobre a Terra.

– É melhor, não?

– De jeito nenhum. Fico muito contrariado pela conduta de Deus. Eu não lhe pediria tanto. Ele fez demais. Ele não fica no seu lugar. Não joga seu jogo.

– Ora, ora, você pensa assim. Minha natureza é diferente.

– Não é sua natureza, Bergson, mas sua cultura. Você é hebreu e impregnado de Deus há quatro mil anos até a medula dos ossos. Você acabou por achar normal que o Absoluto se misture sem cessar em seus negócios. Quanto a mim, sou de velha estirpe pagã e lhe garanto que me é muito difícil aceitar um Deus que não fique em seu lugar.

– E você pode dizer-me por que essa dificuldade em crer é para você um motivo de fé?

– Porque para mim é claro que eu jamais teria inventado uma tal religião. Certamente para você, que tem isso nos genes, por assim dizer, é natural situar-se na intuição e no dinamismo dessa vida religiosa; então, basta-lhe prolongar o movimento para antecipar, de certa maneira, a revelação plenária do Amor divino no Messias. Eu, porém, que não tenho absolutamente nada de judeu, asseguro-lhe que esta religião é completamente Leia mais deste post

%d blogueiros gostam disto: