Terroristas sírios crucificam cristãos. O Papa chora.

cristãos-cruficiados-480x359

Pesssoas observam homem crucificado em Raqqa, na Síria, por terroristas islâmicos

O papa Francisco confessou ter chorado ao saber da notícia de que alguns cristãos tinham sido crucificados na Síria nos últimos dias, disse nesta sexta-feira durante a homilia da missa que realiza a cada manhã em sua residência no Vaticano. “Eu chorei quando vi nos meios de comunicação a notícia de que cristãos tinham sido foram crucificados em certo país não cristão”, explicou o papa em referência ao acontecimento durante a guerra civil síria.

Citando passagens da Bíblia e a perseguição dos primeiros cristãos, o papa acrescentou que “hoje também há gente assim, que, em nome de Deus, mata e persegue”. Em relação à perseguição, Francisco lembrou que “existem países em que você pode ser preso apenas por levar o Evangelho”. Há poucos dias, o site da Rádio Vaticano publicou as declarações de uma freira, a irmã Raghida, que tinha estado na Síria e denunciou que cristãos estavam sendo crucificados em povoados ocupados por grupos de muçulmanos extremistas.

Crucificados
Nesta quarta-feira o Observatório Sírio dos Direitos Humanos, entidade civil sediada em Londres, divulgou imagens que seriam de cristãos crucificados publicamente na cidade de Raqqa, no norte da Síria. A imprensa internacional não conseguiu provar a autenticidade das fotos nem quando teriam ocorrido as crucificações. Também não está claro se os homens foram mortos antes ou durante a crucificação.

Segundo a entidade, as mortes teriam sido obra do Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL), um grupo extremamente radical que sofre ataques inclusive de outras milícias muçulmanas que não concordam com suas ações. Ainda segundo o Observatório Sírio, os homens crucificados teriam realizado ataques com granada contra um dos militantes do grupo no início deste mês. Em uma faixa amarrada em torno de um dos homens mortos há a mensagem em árabe: “Este homem lutou contra os muçulmanos e jogou uma granada neste lugar”.

No início deste ano, os cristãos de Raqqa foram informados pelos rebeldes extremistas de que eles teriam de começar a pagar um “imposto de proteção”. Sua liberdade de culto também foi controlada drasticamente pelos membros do EIIL, que proibiram os cristãos de exibir símbolos religiosos fora das igrejas, orar em público, badalar sinos em templos, entre outras restrições.

Por Reinaldo Azevedo

Perseguição hoje: Novo assassinato de cristãos na Nigéria

Extremistas muçulmanos matam 16 cristãos que liam a Bíblia

ROMA, 07 Ago. 12 (ACI) .- Uma nova ofensiva de extremistas muçulmanos contra cristãos volta a tingir de sangue uma igreja na Nigéria, onde ao menos 16 pessoas foram assassinadas enquanto liam a Bíblia na localidade de Otite, no estado federal de Kogi, na região central do país.

Uma dezena de homens armados, a bordo de uma caminhonete irromperam na Igreja Deeper Life Bible na tarde de 6 de agosto. Deixaram o edifício às escuras e blindaram a saída para disparar contra os cristãos que nesse momento estavam na metade da leitura do Evangelho, uma atividade que desenvolviam todas as segundas-feiras.

Às portas da igreja, os assaltantes se organizaram em barricada para evitar que os cristãos fugissem.

Conforme informou Agi Yushau Shuaib, porta-voz da Agência Nacional para a Gestão das Emergências (SELO por suas siglas em inglês), um grande número de cristão foram feridos entre os viandantes e estudantes de uma escola próxima, que por duração de vinte minutos, viram-se surpreendidos pelos disparos.

O jornal italiano Avvenire assinala que, embora nenhum grupo assumiu a autoria do crime, atrás do atentado estaria o grupo fundamentalista islâmico Boko Haram, relacionado com o Al Qaeda, e causador da morte de pelo menos 800 pessoas este ano, entre elas 150 cristãos.

Por sua parte, o chefe de estado nigeriano, o cristão Goodluck Jonathan, condenou os fatos e rechaçou firmemente a petição do líder do Boko Haram, Abubakar Shekau, que através de um vídeo publicado no Youtube, exigiu do mandatário abandonar o poder, arrepender-se, e renunciar ao cristianismo.

O porta-voz do governador, Ruben Abati, explicou que “Jonathan é líder de muçulmanos e cristãos”, e certamente, um indivíduo ou grupo de pessoas não o obrigará a demitir.

O último episódio de violência reivindicado pelo Boko Haram, remonta-se ao domingo passado, no qual oito pessoas –seis soldados e dois civis–, morreram quando um carro bomba colidiu contra uma patrulha de militares em Damaturu, capital do estado de Yobe, ao norte do país.

Neste mesmo dia, no extremo nordeste do país, em Maiduguri, capital do estado de Borno, outros dois homens assassinados, um comando armado matou um policial e um oficial empregado de imigração.

Perseguição hoje: por quanto tempo ainda o mundo continuará a ignorar os massacres de cristãos na Nigéria?

Nigéria: 90 mortos em novo massacre de cristãos
Assassinado também um senador cristão

ROMA, segunda-feira, 9 de julho de 2012 (ZENIT.org) – A violência não para na Nigéria. Desta vez, no estado de Plateau, foram encontrados cinquenta cadáveres queimados em uma igreja. Durante os funerais das vítimas, acabou sendo assassinado também um político cristão.

Homens armados atacaram neste fim de semana diversos povoados cristãos perto da cidade de Jos. De acordo com informações da agência Nova China, as vítimas são pelo menos noventa. A agência informa ainda que os cinquenta cadáveres carbonizados foram achados em uma igreja da aldeia de Matsai, e que durante a tarde de sábado, enquanto a cidade de Jos realizava o funeral conjunto das vítimas, um grupo armado abriu fogo matando vinte pessoas.

A BBC acrescenta que, no mesmo sábado, houve diversos ataques de grupos armados contra várias aldeias cristãs. A imprensa local cita as aldeias de Kakuruk, Kuzen, Ngyo, Kogoduk, Ruk, Dogo, Kufang, Kpapkpiduk e Kai.

O jornal Herald Tribune, citando o porta-voz do governador do estado, divulgou que entre os mortos estão o senador do estado de Plateau, Gyang Dantong, e o líder da maioria parlamentar do estado, Gyang Fulani.

As autoridades acusam os pastores da tribo fulani, de religião muçulmana. Os representantes da comunidade, porém, citados pela imprensa local, negam a acusação e afirmam que foram os militares nigerianos que atacaram os membros da tribo.

Jonah Jang, governador do estado de Plateau, decretou toque de recolher noturno em quatro regiões. O presidente da Nigéria, David Mark, definiu o ataque como assassinato, afirmando: “Como nação, nós temos que nos levantar contra aqueles que querem nos fazer voltar ao estado selvagem, no qual a vida não tinha valor”.

Perseguição hoje: Como a mídia encobre a perseguição aos cristãos pelos muçulmanos

ESCRITO POR RAYMOND IBRAHIM | 05 JULHO 2012
MEDIA WATCH 

Quando se trata da perseguição dos cristãos pelos muçulmanos, os principais meios de comunicação apresentam um longo histórico de obscurecimento da realidade. Embora possam finalmente apresentar os dados reais – se é que chegam a relatar a história, o que é raro – eles o fazem após criarem e sustentarem uma aura de relativismo moral que minimiza o papel desempenhado pelos muçulmanos.

Falsa equivalência moral
Uma das maneiras mais óbvias é evocar a “disputa sectária” entre muçulmanos e cristãos, frase que apresenta a imagem de dois adversários igualmente competitivos – e igualmente abusados e abusivos – lutando um contra o outro. Isso dificilmente corresponde à realidade das maiorias muçulmanas perseguindo os cristãos passivos amplamente minoritários.

Recentemente, por exemplo, no contexto do bem documentado sofrimento dos cristãos no Egito, um repórter da NPR declarou: “No Egito, tensões crescentes entre muçulmanos e cristãos têm levado a casos de violência esporádica [iniciados por quem?]. Muitos egípcios atribuem as disputas inter-religiosas a vândalos [quem?], que se aproveitam da ausência ou da fraqueza das forças de segurança. Outros crêem que os atos de violência são devidos a uma desconfiança profundamente sedimentada entre os muçulmanos e a comunidade minoritária cristã [como foi que essa “desconfiança” teve origem?]”. Embora a reportagem tenha dado ênfase aos casos nos quais os cristãos foram vitimizados, todo o seu tom – já a partir do título: “No Egito, Aumenta a Tensão entre Cristãos e Muçulmanos” – sugere que também poderiam facilmente ser encontrados exemplos de muçulmanos vitimizados por cristãos [o que não é verdade]. A foto que acompanha o artigo é de um grupo de Leia mais deste post

Perseguição hoje – Vietnã: autoridades impedem celebração de missa


Diocese pede respeito pela liberdade religiosa e pela legislação

ROMA, terça-feira, 3 de julho de 2012 (ZENIT.org) – Em vários domingos do último mês de junho, grupos mobilizados pelas autoridades locais impediram a celebração da missa dominical na capela católica de Con Cuông, distrito da província de Nghê An, na diocese vietnamita de Vinh.

Um artigo publicado em 28 de junho no site da diocese informa sobre os fatos e apela às autoridades pedindo respeito pela liberdade religiosa e pela legislação.

O contencioso entre a comunidade católica do distrito de Con Cuông e o poder local vem se arrastando há sete meses. A primeira agressão aconteceu em 13 de novembro de 2011, quando as autoridades do distrito mobilizaram uma tropa de agentes da segurança e de milicianos, num total de 300 pessoas. Equipados com sirenes e tambores, os perturbadores invadiram aos gritos a capela em que era celebrada a missa. A confusão foi tanta que os dois sacerdotes celebrantes tiveram que interromper a celebração.

Quinze dias mais tarde, uma bomba de fabricação caseira explodiu à noite na porta da capela, causando sérios estragos. Interrogados sobre os dois incidentes, os poderes públicos declararam ignorá-los totalmente. Uma investigação feita pelo governo da província não deu nenhum resultado. Pouco depois do segundo incidente, o bispo de Vinh protestou no site da diocese, denunciando as ações que Leia mais deste post

Perseguição hoje: Perseguição e assassinato na Síria

Assassinam a um cristão na Síria e confirmam ultimato de muçulmanos contra essa minoria

ROMA, 13 Jun. 12 (ACI/EWTN Noticias) .- O cristão Maurice Bitar foi assassinado por um franco-atirador ao sair da sua casa no Qusayr, perto da cidade do Homs (Síria), onde a população cristã se viu obrigada a fugir depois do ultimato de uma facção armada de muçulmanos das forças opositoras.

Conforme informou a agência vaticana Fides, a coordenação do exército de libertação sírio do Qusayr se diz “transtornado pela notícia” do ultimato e o rechaça, afirmando que “não é responsável e não o compartilha de maneira nenhuma”.

Entretanto, dois sacerdotes católicos que recentemente fugiram do Qusayr confirmaram ter ouvido sobre o ultimato anunciado e ter abandonado a cidade “junto com muitas famílias de refugiados”.

“A situação nesta zona é insustentável e está exposta à anarquia total, os cristãos se enfrentam a uma dura realidade: ou unir-se à oposição, envolvendo seus jovens, ou ser vítimas de perseguições, discriminações e violência”, assinalou uma fonte da agência Fides.

Do mesmo modo, indicou-se que numerosos observadores na Síria e no exterior confirmaram que as forças opositoras estão encaminhando-se para uma ideologia sunita extremista. “Os bandos e grupos militares que operam de forma independente, fora da coordenação do Exército de Libertação da Síria, são numerosos”.

Finalmente, informou-se que depois do ultimato alguns cristãos optaram por permanecer no Qusayr, expondo-se a riscos consideráveis.

Perseguição hoje: ataques terroristas a igrejas na Nigéria

Outro domingo de sangue na Nigéria
A nova violência anti-cristã atacou duas igrejas em Jos e Biu

Godonu Anthony Gbenayon

ROMA, terça-feira, 12 de junho de 2012(ZENIT.org) – Na Nigéria, continua a violência contra os cristãos, domingo, 10 de junho, foram duas igrejas: a primeira situada na cidade de Jos e a segunda na cidade de Biu, no nordeste do país mais populoso da África, provocando alguns mortos e muitos feridos.

Na cidade de Jos, local do Estado Central de Plateau, um atentado suicida explodiu a entrada da Lord´s Chosen Church,em Rukuba Road, matando além do suicida uma mulher.

Na represália por parte dos jovens da região, foram mortas outras cinco pessoas, segundo a força de segurança da Special Task Force(STF).  De acordo com a nota da declaração assinada por um funcionário do STF, Mdheyla Marcus, 28 fiéis foram feridos na explosão, que causou o desabamento do prédio.

Outro ataque aconteceu na cidade de Biu, no estado de Borno, um grupo de homens assaltou uma igreja matando diversos fiéis. “Três homens armados entraram no perímetro da igreja e começaram a disparar contra as pessoas fora da igreja, antes de entrar no edifício principal para finalizar os assassinatos”, disse a testemunha ocular, Hamidu Wakawa, que no momento dos fatos estava na igreja. “Muitas pessoas foram mortas e feridas”, acrescentou.

Domingo, 3 de junho, um terrorista suicida entrou com Leia mais deste post

Perseguição hoje: A prisão de George Clooney, a omissão criminosa da imprensa e a cristofobia

A imprensa ocidental corre o risco de morrer de inanição moral — já que não morrerá de vergonha. A prisão do ator George Clooney (já está solto), que fazia um protesto em frente à embaixada do Sudão, em Washington, chama a atenção para a dramática situação daquele país, sim, e isso não deixa de ser positivo. Mas só uma parte da história está sendo contada sobre o país — e o principal está sendo omitido.

Quem pratica os assassinatos em massa no país são milícias islâmicas a serviço do ditador Omar al-Bashir. E os mortos, atenção!, são cristãos!

Na edição de 13 de fevereiro, a Newsweek trouxe uma reportagem da somali Ayann Hirsl Ali, que teve de fugir do seu país, intitulada “O crescimento da cristofobia”. O texto (íntegra aqui) evidencia as perseguições que sofrem os cristãos no mundo inteiro. Há um trecho dedicado ao Sudão:

“O governo autoritário, sunita, do Norte do país há décadas persegue cristãos e minorias animistas do Sul. O que é habitualmente descrito como uma guerra civil é, na prática, perseguição promovida pelo governo sudanês às minorais religiosas. Essa perseguição culminou com o infame genocídio de Darfur, que começou em 2003. Ainda que o presidente Omar al-Bahsir tenha sido indiciado pelo Tribunal Penal Internacional de Haia, que tem contra ele três acusações de genocídio — e apesar da euforia com a semi-independência que ele garantiu em julho do ano passado ao Sudão do Sul —, a violência continua. No [estado] de Kordofan do Sul, cristãos ainda são alvos de bombardeios aéreos, assassinatos seletivos, sequestros de crianças e outras atrocidades. Relatórios da ONU indicam que entre 53 mil e 75 mil civis inocentes foram expulsos de seus lares; casas e edifícios foram incendiados”.

Ainda voltarei a esse tema. Cristãos morrem como moscas hoje em dia em vários cantos do planeta.  Os mortos de Darfur passam de 400 mil — eu escrevi 400 mil!!! Estima-se que possam morrer outras 250 mil. Atenção! É por perseguição religiosa! Não é só ali, não! O glorificado Egito da “revolução democrática” assiste a massacres Leia mais deste post

Perseguição hoje – Nigéria: doze mortos em atentado muçulmano contra igreja

Muçulmanos explodem bomba para fora de igreja católica na Nigéria

ROMA, 13 Mar. 12 (ACI/EWTN Noticias) .- Um grupo de doze de pessoas morreram e outras 26 resultaram feridas em um atentado realizado na manhã deste domingo, 11, com um carro bomba contra o templo católico de Saint Finbarr, nos subúrbios de Jos (Nigéria). O ato foi atribuído a extremistas islâmicos no país.

Embora nenhum grupo ainda tenha assumido a autoria do atentado até o momento, suspeita-se da seita Boko Haram, que pretende converter ao islã o país inteiro.

Em entrevista com a agência vaticana Fides, o Arcebispo do Jos, Dom Ignatius Ayau Kaigama expressou: “Suspeitamos que sejam membros da Boko Haram, mas ninguém no momento pode dizer se os criminosos que cometeram o atentado de domingo são pessoas do local ou provenientes de outros lugares”. 

Dom Kaigama questionou o propósito de quem ataca as Igrejas:  “Pergunto-me qual é o objetivo que essa gente pretende atingir, atacando igrejas. Lembro-me que há duas semanas apenas, sempre em Jos, foi atingida com uma modalidade parecida uma igreja protestante”.

Os escoteiros impediram que o ataque suicida tivesse conseqüências ainda mais graves. “Ontem de manhã, os escoteiros estavam na porta da paróquia quando chegou um carro-bomba com o terrorista suicida a bordo. Eles o pararam e começaram a fazer-lhe algumas perguntas. Em seguida, houve a Leia mais deste post

Perseguição hoje: Atentados a igrejas matam 40 na Nigéria

Chega a 40 o número de mortos em ataques a igrejas na Nigéria

Ataques a bomba atingiram igrejas durante celebrações de Natal no país.
Porta-voz de grupo islâmico Boko Haram assumiu a autoria dos atentados.

 Da France Presse

Ataques a bomba contra igrejas durante as celebrações de Natal mataram 40 pessoas neste domingo na Nigéria, em meio à crescente violência, reivindicada por um grupo islâmico.

A seita islamita Boko Haram assumiu a autoria do atentado contra uma igreja de Madalla, perto da capital, Abuja, que matou 35 pessoas, enquanto três novas explosões foram registradas em igrejas do país, uma delas na igreja evangélica da cidade de Jos (centro), na qual morreu um policial que vigiava o templo, e em Damaturu, onde quatro pessoas faleceram.

“Somos responsáveis por todos os ataques dos últimos dias, inclusive a bomba na igreja de Madalla”, disse, em declarações por telefone, um porta-voz da Boko Haram, Abul Qaqa.

“Continuaremos lançando ataques como estes no norte do país nos próximos dias”, advertiu a fonte.

Homens olham para dentro de um carro que explodiu próximo a uma igreja católica em Abuja, capital da Nigéria, neste domingo (25) (Foto: AFP)Homens olham para dentro de um carro que explodiu próximo a uma igreja católica em Abuja, capital da Nigéria, neste domingo (25) (Foto: AFP)

Segundo o padre Christopher Bard, a explosão em Madalla aconteceu ao final da missa de Natal.

O ministro do Interior, Caleb Olubolad, que visitou uma das igrejas atacadas, disse que “é como se ocorresse uma guerra interna no país”. “Devemos estar realmente à altura e enfrentar a situação”.

Na quinta e na sexta-feiras, confrontos entre o grupo, que promove a criação de um Estado islâmico na Nigéria, e forças de ordem no nordeste do país deixaram 100 mortos.

Vaticano
Segundo o porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, o ataque foi fruto de um “ódio cego e absurdo”.

“O atentado contra a igreja na Nigéria, precisamente no dia de Natal, manifesta infelizmente mais uma vez um ódio cego e absurdo que não tem nenhum Leia mais deste post

Perseguição hoje: Três catequistas assassinados na Índia

Três pessoas foram detidas por matar catequista católico
Número de mortos em Kandhamal, na Índia, sobe para três em 2011

Kandhamal,Índia, sexta-feira, 23 de dezembro de 2011(ZENIT.org) -Três pessoas foram presas por ligação com a morte de um catequista católico e ativista dos direitos humanos, morto no estado de Orissa, na Índia, no início desta semana.

***

O arcebispo John Barwa de Cuttack-Bhubaneswar, na Índia, disse à Ajuda à Igreja que Sofre, que a prisão foi feita pela ligação com a morte de Rabindra Parichha, cujo corpo foi encontrado em Parichha Bhanjanagar em no distrito de Kandhamal no domingo, 18 de Dezembro.

Rabindra Parichha, 47, foi o terceiro catequista morto este ano em Kandhamal, no estado de Orissa – que foi cenário de ataques contra cristãos em 2008, onde 54 mil fiéis ficaram desabrigadas após o incêndio de 4.640 casas.

O arcebispo Barwa disse: “A polícia prendeu três pessoas ligadas com o caso e radicais Hindus poderiam estar por trás do assassinato.”

O Arcebispo, que ensinou o Sr. Parichha quando estudante, prestou homenagem ao catequista assassinado.

Ele disse a AIS: “Pariccha era um excelente trabalhador no campo social, em favor dos direitos dos Dalit”; referindo-se ao trabalho de Parichha com o grupo social mais desfavorecido no país – que era conhecido como “Os intocáveis”. O Sr. Parichha trabalhou no Centro de Apoio Legal Orissa.

De acordo com a agência de notícias Fides, fontes locais informaram que o catequista deixou a casa da família depois de receber o telefonema de um vizinho.

Após uma busca infrutífera pelo mesmo, a família do Sr. Parichha avisou a polícia, que encontrou o corpo na manhã seguinte, pelas vias de Kabi Samrat Upendra Bhanja College.

A garganta do Sr. Parichha tinha sido cortada e havia ferimentos de faca nas mãos e no estômago.

Por John Newton e Javier Fariñas

Perseguição hoje – Iraque: sequestro, depredação, assassinato

Iraque: cancelada a missa da vigília em muitas cidades
Na proximidade do Natal se intensificam os ataques aos cristãos

ROMA, quinta-feira, 22 de dezembro, 2011 (ZENIT.org) – Monsenhor Louis Sako, Arcebispo católico-caldeu de Kirkuk, norte do Iraque, declarou à Ajuda à Igreja que Sofre que os cristãos estão assustados com os recentes ataques.

O bispo disse que não será possível celebrar a Missa da meia-noite por causa do alto risco para a segurança dos fiéis (todas as liturgias do tempo do Natal serão celebradas durante o dia) e que os cristãos não mostrarão decorações de Natal fora das suas casas.

“A Missa do Galo para a véspera de Natal – disse o arcebispo Sako – foi cancelada em Bagdá, Mosul e Kirkuk, devido aos contínuos ataques terroristas contra os cristãos e do ataque contra a igreja de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, ocorrido dia 31 de outubro, em que 57 pessoas foram mortas”.

De acordo com o arcebispo de Kirkuk, a segurança no país está se tornando cada vez mais precária, como resultado da retirada das tropas dos EUA no início deste mês.
Monsenhor Sako argumentou, no entanto, que a situação está dramaticamente marcada por contrastes de poder político entre sunitas e xiitas.

As declarações do arcebispo foram precedidas por um grande número de incidentes no norte da província do Curdistão, antes considerada “segura”, tendo atraído muitos cristãos do Sul.
Em Erbil, a capital do Curdistão, um cristão de 29 anos, Sermat Patros, foi seqüestrado na tarde do passado 12 de dezembro.

Na semana anterior, entre 2 e 5 de Dezembro, mais ou menos 30 lojas de propriedade dos cristãos foram queimadas em Zakho, na província curda de Dohuk, perto da fronteira com a Turquia. Muitas das lojas assaltadas vendem álcool e foi relatado que as violências são consequência da condenação contra as vendas de licores, proclamada durante as orações da sexta-feira.

Além destes incidentes, destacamos o assassinato de dois esposos cristãos, Adnan Elia Jakmakji e Raghad al Tawil, ocorridas num tiroteio a bordo de seu carro em Mossul, norte do Iraque, no passado 13 de dezembro. Segundo o que foi relatado, o casal foi deliberadamente observado e assassinado.

Ajuda à Igreja que Sofre tem exortado os cristãos de todo o mundo para orarem pelos seus irmãos iraquianos, durante todo o tempo do Natal, um sinal de solidariedade.

Perseguição hoje: Cristã acusada de blasfêmia no Paquistão

Paquistão: saúde mental de Asia Bibi corre perigo
Diretor da Fundação Masihi informa sobre a situação da acusada

LAHORE (Paquistão), quinta-feira, 22 de dezembro de 2011 (ZENIT.org) – Asia Bibi, uma mulher cristã acusada de blasfêmia contra Maomé e condenada à morte em novembro de 2010, precisa de cuidados médicos urgentes para não sucumbir a graves transtornos mentais.

O alarme sobre a situação foi lançado pela agência Fides (20 de dezembro), que coletou as últimas declarações do diretor da Fundação Masihi (MF), Haroon Barkat Masih, que presta assessoria jurídica e material para a mulher, presa desde 9 de junho de 2010. Conforme relatado pela Agência Fides, Asia Bibi precisa de “um completo exame médico”.

Uma delegação internacional da fundação pôde atender Bibi nesta segunda-feira (19) na prisão de Sheikpura, para verificar suas condições, oferecer palavras de consolação e enviar saudações de Natal. Condenada à morte em primeira instância em 7 de novembro de 2010, o processo de recurso ainda está pendente na Alta Corte de Lahore.

No final da visita, a fundação divulgou uma declaração dramática. “Por causa do seu isolamento, Asia Bibi, 46 anos, parece consideravelmente mais velha, tem a pele Leia mais deste post

Perseguição hoje: Cristão preso no Paquistão por acusação falsa

Outro cristão acusado de blasfêmia no Paquistão
A arquidiocese de lahore negou os relatos

LAHORE, sexta-feira, 16 de dezembro de 2011(ZENIT.org)- A Arquidiocese de Lahore no Paquistão, negou os relatos de que um católico de 24 anos teria queimado páginas do Alcorão.

***

As alegações de que Khuram Masih destruiu parte do livro sagrado muçulmano são infundadas – e muitos relatos da mídia sobre o caso são imprecisos – disse um porta-voz da arquidiocese à Fundação Católica Ajuda a Igreja que Sofre.

O porta-voz afirmou que Masih, preso no dia 6 de dezembro, foi falsamente acusado por sua namorada Hindu, com quem estava convivendo “fora do casamento”, pois seus pais se opuseram fortemente ao matrimônio.

De acordo com a arquidiocese, a família do proprietário muçulmano da casa em que o casal estava morando, pressionou a jovem mulher – a chantageando depois que ela não quis se converter ao islamismo, ameaçando-a com o apedrejamento por “viver em pecado”.

Disse que ela seria morta se não cooperasse; a namorada Hindu do Sr Masih foi forçada a chamar a polícia e acusá-lo de queimar páginas do Alcorão para ferver o chá sobre o fogo.

A polícia, que não Leia mais deste post

Perseguição hoje: Cristãos só podem entoar cantigas de natal com permissão da polícia

Malásia: Cristãos só podem entoar cantigas de natal com permissão da Polícia

ROMA, 19 Dez. 11 (ACI/EWTN Noticias) .- Os cristãos de duas igrejas da Malásia rechaçaram a exigência da Polícia, que através de uma nota, informou que só poderão cantar canções de natal em templos e lares com autorização.

Conforme informou esta quinta-feira a agência Fides, duas igrejas de Klang, nos subúrbios de Kuala Lumpur (Malásia), receberam uma nota da Polícia pedindo nomes e dados das pessoas que cantam canções de natal, já que, segundo as autoridades, requer-se uma autorização prévia para poder fazê-lo dentro dos seus templos e lares.

O Presidente da Conferência Episcopal, Dom Paul Tan Chee Ing, disse à Fides que se a Polícia segue exigindo “estes requisitos burocráticos”, o país estará em “um estado policial”.

Nesse sentido, o diretor do semanário diocesano “Herald”, Pe. Andrew Lawrence, explicou à agência vaticana que o ocorrido “é uma interpretação estrita das normas vigentes sobre o exercício de atividades de culto e a liberdade de religião. A polícia tem uma confusão total. Depois dos protestos dos cristãos, os representantes do governo negaram a Leia mais deste post

Perseguição hoje: “Ecofeminista” sabota trabalho com cristãos

Ecofeminista sabota iniciativa solidária de uma universidade canadense por trabalhar com cristãos

TORONTO, 16 Dez. 11 (ACI/EWTN Noticias) .- Em um novo caso de intolerância religiosa, uma socióloga “ecofeminista” peruano-canadense pôs em risco um importante programa solidário da Brock University no Canadá que favoreceu a mais de cem mil peruanos pobres nos últimos sete anos e que também atuou ajudando os desfavorecidos no Brasil.

A controvertida socióloga Ana Isla, professora assistente da universidade, mobilizo o Centro de Estudos da Mulher da Brock para deter o projeto Solidarity Experiences Abroad (SEA, Experiências Solidárias Internacionais), devido a que surgiu por iniciativa do encarregado de pastoral católica da universidade.

Isla, conhecida no campus de Brock por seu discurso radical de intolerância anti-religiosa, fez circular desde o final de novembro uma carta entre professores e administratadores da Brock University com uma série de graves acusações sem provas contra o programa solidário que conta com o apoio das autoridades educativas.

Ante esta agressiva campanha, 200 alunos e ex-alunos participantes de SEA, enviaram cartas de apoio ao programa universitário nas que desmentem categoricamente as alegações de Ana Isla.

Desde sua criação em 2004, como um programa não confessional, o SEA permitiu que mil estudantes da Brock e outras 16 universidades “desenvolvessem suas carreiras em Leia mais deste post

Perseguição hoje: Jovem cristã assassinada por muçulmano

Muçulmano assassina jovem cristã por recusar converter-se ao Islã e casar-se com ele.

ROMA, 05 Dez. 11 (ACI/EWTN Noticias) .- Um muçulmano no Paquistão assassinou uma adolescente cristã de 18 anos que ele havia seqüestrado para casar-se com ela porque a moça rechaçou abraçar a fé islâmica e converter-se em sua esposa à força.

Conforme informa a agência vaticana Fides, o Pe. Zafal Iqbal, pároco de Khushpur, onde vive a família de Mariah, a moça de 18 anos, ela “resistiu, não queria converter-se ao Islã e não se casou com o homem, que por esta razão a matou. É uma mártir”.

O sacerdote disse à Fides que informou destes fatos a Comissão “Justiça e Paz” e o Bispo de Faisalabad, Dom Joseph Coutts.

“O culpado foi preso e a polícia está investigando. Esperamos que se faça justiça, enquanto, a comunidade está triste e aborrecida”, disse o sacerdote e acrescentou que “casos como este ocorrem diariamente em Punjab”.

Por sua parte o vigário de Faisalabad, Pe. Khalid Rashid Asi, comentou que “é muito triste, os cristãos, freqüentemente as meninas, são vítimas indefesas”.

Fides informa além que por volta da data outro caso de perseguição religiosa contra cristãos foi Leia mais deste post

Perseguição hoje: Presa Missionária da caridade no Sri Lanka

Sri Lanka: é presa uma Missionária da Caridade
Denúncia anônima de suposto tráfico de crianças

ROMA, sexta-feira, 2 de dezembro de 2011 (ZENIT.org) – Após uma denúncia anônima, a superiora de um centro da congregação da Madre Teresa de Calcutá foi presa no Sri Lanka por suposto tráfico de crianças. A notícia foi veiculada por várias agências, como a Eglises d’Asie (EDA, 29 de novembro), das Missões Estrangeiras de Paris.

A irmã Mary Eliza, superiora de uma casa para crianças e mães solteiras administrada pelas Missionárias da Caridade (MC), conhecidas como as “Irmãs da Madre Teresa”, foi presa em 25 de novembro e solta sob fiança no dia 28. AsiaNews (01 de dezembro) informa que a primeira audiência, marcada para ontem, foi adiada para 15 de dezembro.

O juiz Yvonne Fernando, da capital Colombo, aceitou a fiança de 50.000 rúpias, equivalente a cerca de 1.700 reais, e autorizou a religiosa, de nacionalidade indiana e responsável pelo centro Prem Nivasa, a esperar pela audiência em prisão domiciliar em outro convento. Seu passaporte foi confiscado.

Um telefonema anônimo acusando as irmãs de tráfico de crianças foi a origem da prisão, a primeira de um membro da congregação da Madre Teresa desde a sua fundação. Por ordem da Autoridade Nacional de Proteção à Criança (NCPA), que depende diretamente do presidente Mahinda Rajapaksa, a irmã Mary Eliza foi presa no albergue que as Missionárias da Caridade mantêm na localidade de Moratuwa, poucos quilômetros ao sul de Colombo.

Sem sequer poder contatar um advogado, ela foi levada a um tribunal de Wennappuwa, embora sua instituição esteja sob a jurisdição de Rawathawatta, e lá foi decidida a sua prisão imediata na penitenciária de Welikada. Como denunciado pelo Pe. Sunil De Silva no site da arquidiocese de Colombo, muitas irregularidades marcaram a prisão.

Poucos dias antes, um telefonema anônimo para Leia mais deste post

Perseguição hoje: Conversões forçadas ao islã no Paquistão

Conversões forçadas de mulheres Paquistanesas ao Islã
O presidente da Conferência Episcopal convida para o diálogo inter-religioso

ISLAMABAD, quinta-feira, 10 de novembro de 2011 (ZENIT.org) – Um ano após a sentença de morte de Ásia Bibi – uma mulher cristã acusada de blasfêmia – o presidente da Conferência Episcopal do Paquistão denunciou o crescimento do extremismo islâmico em seu país .Em declaração feita pelo jornal da Santa Sé – L’Osservatore Romano – chamou a atenção de vários casos de conversões forçadas de mulheres ao Islã, relatados por uma ONG.

Enquanto o “extremismo islâmico cresce fortemente nos últimos anos e afeta a vida social e política do país”, “as minorias religiosas do Paquistão enfrentam a discriminação no silêncio do governo e das instituições.” Disse à Fides (07 de novembro) Dom Joseph Coutts, bispo de Faisalabad e presidente da Conferência Episcopal do Paquistão  “(PCBC), marcando o primeiro aniversário da sentença de morte imposta a Asia Bibi, uma mãe cristã injustamente acusada de blasfêmia e condenada pelo tribunal de Sheikupura em 8 de novembro de 2010.

“Um ano depois do trágico veredicto – disse Mons. Coutts – as condições das minorias religiosas não mudaram para melhor, pelo contrário, o país é assolado por graves problemas políticos, econômicos, sociais, morais e religiosos que refletem sobre os cidadãos muçulmanos e não muçulmanos. Em um ano, o país perdeu dois Leia mais deste post

Perseguição hoje: Na Inglaterra, cristão é rebaixado no emprego por declaração contra “casamento” gay

MANCHESTER, Inglaterra, 24 de outubro de 2011 (Notícias Pró-Família) — Um cristão administrador de propriedades na Inglaterra foi rebaixado em seu emprego, sofreu um corte de 22 mil dólares anuais em seu salário e quase foi despedido por fazer um comentário no Facebook de que as igrejas cristãs não deveriam ser forçadas a participar de cerimônias de união de mesmo sexo.

Adrian Smith, de 54 anos, foi declarado, por um consórcio de moradia financiado por impostos, como culpado de “má conduta grave” depois que ele disse, numa linha de comentário no Facebook, que permitir cerimônias de mesmo sexo nas igrejas é “levar a igualdade longe demais”.
Escrevendo em sua própria página de Facebook, que não estava acessível a ninguém mais do que seus amigos de Facebook, Smith havia dado uma resposta a uma notícia da BBC sobre uma nova lei polêmica que permitiria que as igrejas conduzissem cerimônias de mesmo sexo. Indagado se o comentário dele significava que ele não aprovava a lei que havia sido proposta, Smith respondeu: “Não, não realmente. Não compreendo o motivo por que as pessoas que não têm fé e não creem em Cristo quereriam se casar na igreja. A Bíblia é bastante específica que o casamento é para homens e mulheres. Se o Estado quer oferecer casamentos civis para os homossexuais, então cabe ao Estado; mas o Estado não deveria impor suas normas em lugares de fé e consciência”.
O consórcio telefonou para a casa de Smith e o chamou para uma reunião disciplinar depois que outro membro do consórcio se queixou. O Consórcio de Moradia de Trafford (CMT), que administra as casas em Sale, na Grande Manchester, removeu Smith de sua posição administrativa que lhe dava um salário de 56 mil dólares por ano, reempregando-o como um “conselheiro” com um salário de 33.500 dólares.
Com a assistência legal do Instituto Cristão, Smith está processando, dizendo que o consórcio quebrou Leia mais deste post
%d blogueiros gostam disto: