Tomás responde: A ressurreição de Cristo deveria ser manifestada a todos?

El_Greco_A_RessurreicaoEl Greco (1541-1614), A Ressurreição (entre 1596-1600), Museu do Prado, Madrid

Parece que a ressurreição de Cristo deveria ser manifestada a todos:

1. Na verdade, assim como um pecado público merece uma pena pública, conforme diz a primeira Carta a Tito: “àqueles que pecam, repreende-os diante de todos”, também um mérito público merece um prêmio público. Ora, “a claridade da ressurreição é o prêmio das humilhações da paixão”, como diz Agostinho. Logo, como a paixão de Cristo foi manifestada a todos, tendo ele sofrido publicamente, parece que a glória de sua ressurreição deveria ter sido manifestada a todos.

2. Além disso, assim como a paixão de Cristo tem por meta a nossa salvação, também a sua ressurreição, como diz a Carta aos Romanos: “Ressuscitou para nossa justificação”. Ora, o que é útil a todos deve ser de conhecimento de todos. Logo, a ressurreição de Cristo devia ser manifestada a todos, e não a alguns em especial.

3. Ademais, aqueles a quem a ressurreição foi manifestada foram testemunhas da ressurreição, por isso se diz no livro dos Atos dos Apóstolos: “Deus o ressuscitou dos mortos, disso nós somos testemunhas”. Ora, o testemunho, eles o davam ao pregar em público. O que não é apropriado às mulheres, conforme diz a primeira Carta aos Coríntios: “As mulheres calem-se nas assembléias  e a primeira Carta a Tito: “Não permito à mulher que ensine”. Logo, parece que não foi conveniente a ressurreição de Cristo ter sido manifestada primeiro às mulheres e só depois aos homens em geral.

EM SENTIDO CONTRÁRIO, diz o livros dos Atos dos Apóstolos: “Deus o ressuscitou ao terceiro dia e lhe concedeu manifestar a sua presença, não ao povo em geral, mas a testemunhas designadas de antemão por Deus”.

Tomas_Respondo

De todas as coisas que se conhece, parte se sabe pela lei geral da natureza, parte por especial favor da graça, como o que é revelado por Deus. Sobre essas, a lei instituída por Deus, como diz Dionísio, é que sejam reveladas por Deus imediatamente aos superiores, por meio dos quais são passadas aos inferiores, como é claro na ordem dos espíritos celestes. As que se referem, porém, à futura glória excedem o conhecimento comum dos homens, conforme o que diz Isaías: “Nunca o olho viu, ó Deus, sem igual, o que preparaste para os que te amam”. Portanto, há coisas que não são do conhecimento dos homens, a menos que Deus os revele, como diz a primeira Carta aos Coríntios: “Foi a nós que Deus revelou por seu Espírito”. E porque Cristo ressuscitou de modo glorioso, sua ressurreição não foi manifestada a todos, mas a alguns, mediante cujo testemunho ela chegaria ao conhecimento dos demais.

Quanto às objeções iniciais, portanto, deve-se dizer que:

1. A paixão de Cristo se deu num corpo que tinha ainda uma natureza passível, que pela lei geral é de conhecimento de todos. Portanto, a paixão de Cristo pôde ser imediatamente conhecida por todos. Já a ressurreição de Cristo se deu “pela glória do Pai”, como diz na Carta aos Romanos. Por isso, foi imediatamente dada a conhecer não a todos, mas a alguns.

Quanto à pena pública que se impõe aos que publicamente pecam, deve-se entender que se trata da pena na presente vida. Igualmente, devem-se premiar em público os méritos públicos, a fim de que haja estímulo para outros. Mas as penas e recompensas da vida futura não se manifestam publicamente a todos, mas de modo especial àqueles que para tanto foram escolhidos por Deus.

2. A ressurreição de Cristo, por ser para a salvação comum de todos, chega ao conhecimento de todos; porém não é manifestada imediatamente a todos, mas a alguns, mediante cujo testemunho chegaria ao conhecimento de todos.

3. Não é permitido à mulher ensinar em público na Igreja, mas é-lhe permitido das instruções a poucas pessoas, em caráter particular, em reuniões familiares. Por isso, como diz Ambrósio, “a missão da mulher são seus familiares” e não lhe cabe das testemunho da ressurreição ao povo.

Portanto, Cristo apareceu primeiro às mulheres para que a mulher, a primeira a levar a mensagem da morte ao homem, fosse também a primeira a levar a mensagem da vida de Cristo gloriosamente ressuscitado. Por isso, diz Cirilo: “A mulher, que um dia fora ministra da morte, foi a primeira a perceber e anunciar o venerável mistério da ressurreição. Conseguiu assim a condição feminina tanto a absolvição da ignomínia como a rejeição da maldição”.

Mostra-se, além disso, que, no que se refere ao estado de glória, nenhum dano sofrerá o sexo feminino. Pelo contrário, quanto mais amor tiverem, de maior glória gozarão na contemplação divina, pois as mulheres que amaram o Senhor de modo mais intenso a ponto de não se afastarem de seu sepulcro, mesmo quando os discípulos tinham se ausentado, foram as primeiras a ver o Senhor ressurgir para a glória.

Santo Tomás de Aquino, Suma Teológica  III, q. 55, a.1

Anúncios

2 Responses to Tomás responde: A ressurreição de Cristo deveria ser manifestada a todos?

  1. 12augusto says:

    Uma jóia. Esse trecho então; “pois as mulheres que amaram o Senhor de modo mais intenso a ponto de não se afastarem de seu sepulcro, mesmo quando os discípulos tinham se ausentado, foram as primeiras a ver o Senhor ressurgir para a glória”.

    (Acho que na resposta 3 há uma correção: “das instruções” e “das testemunho”; não seria “dar”).

    Cristo ressuscitou!!

  2. Dalmo Loes Cardoso says:

    Enviado via iPad

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: