Perseguição hoje: Sacerdote denuncia perseguição à Igreja na Nicarágua

Nicarágua: sacerdote denuncia perseguição à Igreja
Fala o Pe. Román, descendente do revolucionário Sandino

MANÁGUA, segunda-feira, 24 de outubro de 2011 (ZENIT.org) – O decano da imprensa nicaraguense, La Prensa de Manágua, recolheu as declarações de um sacerdote, Pe. Edwin Román, sobrinho-neto de Augusto C. Sandino, quem inspirou os sandinistas atualmente no poder, cujo presidente, Daniel Ortega, avança rumo à perpetuação em um cargo que a Constituição não lhe permite.

O sacerdote denuncia ameaças à Igreja Católica e a desvirtuação da mensagem revolucionária do seu antepassado Sandino, lançando o alerta sobre o que considera ser uma ditadura em nascimento. Exige também justiça no misterioso assassinato do sacerdote Marlon Pupiro, ocorrido no último dia 20 de agosto.

A firme atitude do sacerdote Román fez dele alvo de membros do Conselho de Poder Cidadão, que, segundo disse, lhe enviaram mensagens para que baixe o tom das suas homilias, afirmou o jornal La Prensa no dia 16 de outubro.

O presbítero recebeu ligações e mensagens de texto com ameaças e ofensas. Mas declara sentir-se chamado a defender a pátria: “Como sacerdote, sob a luz da Palavra de Deus, como fizeram os profetas, como fazem os sacerdotes e os bispos, às vezes somos a voz dos que não têm voz”.

“Os próprios profetas, em seu momento, denunciaram os atropelos, as injustiças que eram cometidas – sublinhou. Neste momento histórico, a conferência episcopal, nossos bispos, estão dando um grito de alarme diante do perigo. É um guiar as pessoas, sem cair na política.”

Em sua opinião, o triunfo de Daniel Ortega seria o início de uma ditadura: “É evidente, com tudo o que estamos vendo: todo o Estado e as instituições já estão ao serviço dele”.

“Já estão declaradas as ilegalidades; o próprio presidente, de maneira ilegal, está concorrendo – denuncia. Estamos sendo partícipes ou cúmplices de uma ilegalidade. Eu convidei a não votar por uma ilegalidade; que não contribuamos para que a Nicarágua vá pelo caminho ilegal, porque vamos nos arrepender, vamos nos envergonhar.”

O presbítero lança um apelo aos seus fiéis a “não agir com violência nestes tempos difíceis”, e pede que a justiça seja imposta no caso do assassinato do sacerdote Marlon Pupiro.

Como a morte do Pe. Pupiro afetou a Igreja? Ganhou ou perdeu?, perguntaram ao sacerdote. E ele respondeu: “A Igreja se fortalece com o sangue dos mártires, que nos deixaram sua mensagem de vida”.

“O sangue dos mártires foi um adubo para a Igreja; isso é palpável na comunidade de La Concha, que lamentou sua morte – comentou. O padre sempre estará presente nessa comunidade. Para os sacerdotes, ele foi um testemunho de vida.”

Santo Tomás de Aquino, Suma Teológica, Igreja, Teologia, Filosofia

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: