Cadernos: “A Existência de Deus”

gifindice

Caderno_01

Voltando ao estudo da Suma Teológica, disponibilizo agora o primeiro “Caderno”, denominado “A Existência de Deus”. Trata-se de um projeto de publicar partes da Suma divididos por questões, temas ou tratados específicos. Este primeiro trata da segunda questão da primeira parte, que compreende três artigos:

1. A existência de Deus é evidente por si mesma?
2. É possível demonstrar a existência de Deus?
3. Deus existe? (onde se encontram as famosas cinco vias)

Cada artigo contém:

♦ Um pequeno resumo esquemático com as objeções seguidas das respectivas respostas para facilitar, o “sed contra” e o corpo do artigo com as notas da Suma editada pela Loyola.

♦ O texto integral.

O documento possui ainda um índice com links para as diversas partes que o compõem e também links dos diversos termos utilizados por Santo Tomás para o vocabulário.

Caderno_01
Clique para baixar em pdf

gifindice
Anúncios

4 Responses to Cadernos: “A Existência de Deus”

  1. Ombelina Furlani says:

    SOU UM SOPRO DO ESPIRITO SANTO DE DEUS.
    ELE ESTÁ EM MIM, EU ESTOU MELE.
    TUDO O QUE DE MELHOR ESTÁ EM MIM,É DEUS QUE VIVE EM MIM.
    EU SOU PARTE DELE, JUNTO COM OS DEMAIS IRMÂOS NA FÉ; É DEUS REVELANDO-SE A SEU POVO E O POVO DANDO O MELHOR DE SI,PROVANDO SUA EXISTÊNCIA.
    DEUS CAMINHANDO COM SEU POVO, E SEU POVO CAMINHANDO COM DEUS.
    DEUS ESTÁ VISIVEL AOS NOSSOS OLHOS NESTE MILENIO MAIS DO QUE NUNCA, JAMAIS VISTO.

  2. fRANCISCO MARCOS DE OLIVEIRA LIMA says:

    1. SOBRE DEUS

    Carissimos homens e mulheres que viveis neste mundo, observai em volta e vede que grande maravilha nos rodeia. O céu que contemplamos com todo o seu esplendor pleno de astros luminosos e outros iluminados por aqueles que lhe prestam serviço em forma de iluminação com leis naturais tão constantes e ordenadas definindo tempos e estações. Vede a terra com todos os seus animais, plantas, ar, água minérios e toda sorte de maravilhas bem ordenadas e sincrônicas como uma doce melodia. Olhai o ser humano com toda a suas grandeza possuindo em si a capacidade do discernimento, do pensamento e do livre arbitrio. Vede e pensai que tudo isso não mero acaso, ou que passou a existir por si só e desde sí ou de outra substãncia tão somente, mas quando paramos e contemplamos todas estas maravilhas é de praxis que nos venha várias perguntas e indagações.
    De onde vem tudo isso? Que lei real rege o universo? Que artista foi capaz de esculpir com tanta perfeição as flores, os frutos, cada animal e o p’roprio homem? Que destino terá todo este universo? Há quanto tempo apareceu? Qaunto tempo durará? Como é sustentado estando suspenso no nada? Quem lhes dar o movimento? E tantas outras perguntas que tendes dentro de vós e que são suscitadas pelos estudiosos.
    Há, certamente, pelo menos uma resposta. Existe uma força poderosa que deve está por tras de tudo isso. Deve existir algo ou alguém que sustente tudo isso com mão onipotente pois do contrário já terias sucumbido e deixado de existir. Esta, carissimos, é com certeza a mais ingênua e natural resposta que surge do coração do homem. Esta certeza, pergunto eu, de achais que vem ao coração do homem? Não terá a mesma origem de tudo o que existe no universo? Não comunga da mesma fonte? Pois ao se firmar nesta certeza natural não se interroga, de maneira análoga de vem o pensamento que somente o ser humano detém?
    Pois bem esta certeza original é também fruto dessa mesma força que gerou tudo e a tudo deu uma lei que não se acaba. O mundo é obra, carissimo, dessa força criadora que chamou a existencia desde o nada tudo que existe e tudo criou com harmonia e solidez. Ainda que se explique na ciência com várias teorias, digo que até louváveis, há sempre mais a se descobrir, e mesmo que muitas realidade sejam demonstráveis não se é capaz de criá-las com recursos apenas humanos. Cito-lhes a germinação de uma planta. Mesmo que se descubra a sua essência mais profunda, como de terrreno precisa para nascer, como se dar o seu crescimento, possa ser alterado alguns de seus aspectos, nenhum ser humano cientista ou não é capaz de por si ou por algum poder de suas mãos fazer uma planta crescer sem a necessidade da terra ou desde sua semente tirar um broto se a semente não der desde si tal broto. O que faz a ciencia é de fato de grande valia mais não é capaz de fazer crescer por seu conhecimento a semente.
    Da mesma forma o homem. Entendemos que é capaz de pensar e temos infindas teorias para essas explicações, contudo não se é capaz de determinar precisamente a origem do pensamento e como se deu verdadeiramente esse fato extraordinário neste animal e muito menos se é capaz de fazer alguém pensar ou até mesmo conhecermos o pensamento do outro sem que o manifeste.
    Diante de tudo isso nasce de fato a certeza de todas estas perguntas.
    Existe, com certeza uma força superior que desde o nada chamou o universo a existir com toda a sua pompa e suas leis perpértuas. Esta força carissimos, nós cristãos chamamos de Deus. Deus é verdadeiramente o criador de tudo o que vemos, sentimos. Ouvimos, tocamos e admiramos e esta certeza natural que surge em nosso coração é um dom dado por Ele que nos faz “capaz de Deus”. Quando ao criar o universo Deus criou também o homem a sua imagem como sua semelhança dando lhe com dom natural uma sede para o infinito, ou seja o nosso coração está inclinado a se saciar com a infinitude de Deus que é o amor. Dessa maneira todos os homens tem intrisecamente em seu coração esse desejo que sempre o deixa vazio, haja vista termos sido criados para que em seu coração encontre descanso Nele e enquanto não o encontrar se sente vazio e só. ( santo Agostinho)
    certamente podereis interrogar: como podes dizer isso? Não será apenas mias um deus como os outros dos quais já ouvimos falar? Eu te afirmo que não. E como podes afirmar perguntas?
    Eu te digo: este Deus do qual falo deu-se a revelar com portentos e maravilhas verificáveis. Quando criou o homem Ele o pôs em um jardim e se alegrava com o homem por ser sua imagem e sua semelhança, ou seja deu-lhe a liberdade de decidir. O livre arbitrio que a nenhum outro animal foi dado, visto todos os outros animais e a própria criação ou age com instinto ou nem sequer age. O homem porém pode escolher. E com esse dom Deus deu outro dom ao homem que é exatamente o desejo de permanecer em sua presença, ou seja a capacidade de Deus o desejo de saciar-se com o infinito. Diante do livre arbitrio o homem deparou-se com a tentação da serpente, e pai da mentira que lhe fez pensar que o desejo do infinito faria do homem igaul a Deus e dessa maneira o homem caiu perdendo, assim, a semelhança com Deus e experimentando a morte. Contudo, Deus, não fica inerte, senão vem em resgate do ser humano para salvá-lo e reestabelecer nele a sua imagem.
    Para que isso acontessesse Ele traçou um planao de salvação a fim de resgatar a humanidade. Este palno de salvação ocorre em um tempo concreto, num lugar concreto e com pessoas concretas, isso tudo para demonstrar que de fato é um Deus verdadeiro e salvador. E que seu plano é como uma promessa a toda a humanidade.
    Para iniciar o palno propriamente dito Deus desce até uma cidade chamada Ur e se dirigiu a um homem concreto, chamado Abrão que será chamado de Abraão pois foi declarado pelo próprio Deus pai de muitos povos. Esse Abraão era um homem velho que não podia ter filhos e com isso não poderia ter uma terra haja vista não ter filhos para defendê-la e sua mulher Sara era estéril diante desta realidade que fazia Abraão sofrer, pois se sentia incapaz de ter uma geração que perpertuasse seu nome, aparece Deus e lhe chama a sair de sua terra e ir para que que indicaria e Abraão saiu. Abraão creu neste Deus que sequer conhecia. Isso foi tido para Abraão com justiça e desa maneira foi também considerado o pai da fé. Deus cumpriu o que prometera a Abrão dando um filho Isaac, que significa sorriso, pois Abraão e Sara se alegraram com o cumprimento da promessa e um terra, ou seja foi fiel ao que prometera a Abraão e ainda mais fez uma alinça com ele promento, ainda, que sua geração herdaria os tesouros de sua misericórdia. Chamos isso de fato concreto com uma pessoa concreta de forma que este Deus que vos anuncio é um Deus pessoal, ou seja ele quer ser Deus da pessoa e cumprir tudo o que prometeu a Abraão e a seus filhos para sempre.
    Dando a Abaão uma descendência Deus fez surgir desde o mesmo Abraão um povo com doze tribos que são os filhos de Israel, Israel é Jacó, filho de Isaac e neto de Abraão. Jacó foi também visitado por Deus em situação de sofrimento e angústia e chegou a lutar com Deus e dessa luta Deus deu-lhe um nome novo Israel que significa forte com Deus. Deus, podeis observar, age com concreção e fatos na vida da pessoa. Jacó teve doze filhos e a cada um Deus formou uma tribo e juntos formaram um povo o povo de Israel.
    Este povo cresceu e se multiplicou. Chegou um periodo de seca na terra de canaã, terra que Deus dera a Abraão e tiveram que migrar para o Egito, mesmo porque um dos filho de Israel já se encontrave no egito por ter sido vendido como escravo e até nisto Deus agiu, pois José, que fora vendido como escravo, era dota de dons grandiosos e salvou o Egito de sete anos de fome tornando-se, assim, um dos ministros do faraó rei do Egito. Quando Os filho de Jacó e o próprio Jacó estavam sem alimento durante os sete anos de seca José os acolheu no Egito, contudo o povo de Israel se multiplicou na terra do Egito e com a morte de José e o surgimento de outro Faraó houve mudanças na relação do Egito com o povo de Israel, isso porque o povo de Israel cresceu mais ainda, suscitando medo e inveja por parte do faraó, que passou a fazer de Israel escravos no egito com durao trabalhos e chegou até a proibir que nascencem filhos homens no povo de Israel mandando matar todos os filhos homens das hebréias.
    Mais uma vez estamos diante de uma situação de sofrimento e dor. Contudo Deus olhou dos céus e desceu e ao olhar para o Egito reconheceu o seu povo e ouvi o gemido do sofrimento que pesava sobre os ombros de seus filhos e recordou-se de Abraão, Isaac e Jacó e de sua comoção plena de misericórdia suacitou uma força libertadora para seu povo: Moisés.
    Moisés era filho de Israel, mas fora criado pela filha do Faraó e como era hebreu ao ver um de seus irmãos sendo maltratado por um egipecio ele matou o egepicio e teve de fugir, de novo a dor e a solidão. Na fuga Moisés estabeleceu em terra estrangeira. Aí nesta terra aparece Deus a Moisés e se identifica com Deus de Abraão, Deus de Isaac e Deus de Jacó, ou seja ele diz concretamente a Moisés que é um Deus que cumpre o que promete, o que mias tarde será afirmado na lei que Deus não é um homem para prometer e não realizar. Além disso, deus ordena Moisés a libertar o povo da terra da escravidão e das mãos do Faraó para que este povo possa prestar um culto de agracimento e reconhecimento a Ele por suas maravilhas e por ter escolhido Israel com sus propriedade peculiar e povo de seu bem-querer. Moisés reluta e diz que não sabe falar que tem a ligua presa, Deus, porém afirma que quem vai agir é seu poder e seu braço poderoso com prodigio e portentos diante do Faraó e do Egito. Moisés daí pergunta qual é o nome de Deus e Ele revela que seu nome está naquilo que ele opera, Ele é o que é, dizendo assim que será reconhecido por suas obras poderosas e por sua majestade. Carissimos até aqui temos visto que o deus que vos anunciamos é um Deus que vem em busca do homem caido e ferido pelo pecado, que escolhe pessoas concretas em tempo e luga concreto para agir, um Deus que cumpre suas promessas, que ouve o grito daqueles que ama, que sai para resgatar da dor e do sofrimento o povo que escolheu por sua herança, um Deus que se revela e dar a conhecer o seu nome YHW, Eu sou o que Sou, eu sou o que falo com justiça, o que cumpre o que prometeu, o que acaba a obra que iniciou, o que não abandona oaqueles que ama mas os liberta, o que acampa junto a seu povo, YHW, que traduzido é dito JAVÈ, YAHWER e até JEOVÁ ( menos usado).
    Com este fato da escravidão do Egito Deus passa a ser Deus de um povo peculiar, sem deixar de ser um Deus pessoal, passando a agir junto a um pequeno grupo de Israel que ainda nem merece ser chamado de povo e desde este grupo de israelita Ele demonstra o seu poder e seu braço poderoso. Deus tira Israel do meido do Egito, da casa da escravidão e o leva pelo deserto som o objetivo de provar o coração de Israel e faze-lo ver que Ele quer ser o seu Deus e quer qeu Israel seja o seu povo. Durante a caminhada o povo ver-se diante de várias provações e sofrimento mas de todas os livra o Deus de Abraão de Isaac e de Jacó e os leva até o monte Sinai e no monte lhe estabelece uma lei com dez artigos e prescrições para que este povo viva em sua presença e siguindo seus mandamentos possua a terra que mana leite e mel.
    Deus age com poteência diante do povo e do egípicios. Envias as pragas demonstrando força e com a morte dos primogênitos faz o povo sair, contudo os egipicios saem em seguida para trazer o povo de volta à escravidão e o povo se ver diante da morte pois chega um momento em que parece não ter saída, haja vista que diante de si t~em o mar e atras têm os carros e cavalheiros do Egito, Deus, porém estende sua mão e abre o mar e faz o povo passar de pés enxuto pelo meio do mar e fecha o mar fazendo morrer os egipicio com seus cavalos e cavalheiros. Logo depois o povo já esquece desta maravilha e comeca a murmurar contra Deus e contra Moisés por água e comida e Deus lhe dar o maná e as codornizes para saciar o povo e faz agua brotar da rocha matando a sede de seu povo e para fazer com eles vejam o que têm no coração, que é um coração duro e serviz emperdernida pois não crer na imensa misericordia deste Deus que os ama e proteje. O povo se esquece de Deus e faz para si um ìdolo, um bezerro de ouro, enquanto Moisés recebe a Lei no cimo do monte Sinai e inflama a ira de Deus que pensa em desistir de seu plano libertador, Moisés pede que o senhor não os abandone e Deus escuta mais uma vez a súplica de seu servo e volta seu coração aos filho de Israel dando um mandamento de libertação e de amor.
    Todos os mandamento resumen-se em dois dado por Deus a saber: Shemá Israel! Escuta Israel! O senhor teu Deus é o único Deus! Portanto amarás o senhor teu Deus com todo teu coração, com toda tua alma e com todas as tuas forças “e a próximo como a ti mesmo!”
    vejam bem, carissimos, que Deus não só resgata da terra do Egito, senão se apropria deste povo e faz uma aliança com ele dando-lhe um mandamento de amor para que sejam felizaes na terra que lhe fará tomar posse e que sendo fieis ao mandamento de amor vivam em paz na terra que mana leite e mel e se infieis serão exilados. Esta alinça estar firmada na livre adesao do povo a este Deus que é convidado a escolher a Javé como seu único Deus. “escolhe, pois, e obedece a mesu mandamentos e terás vida e vida em abundancia”
    Vemos algo novo quando foi dada a lei. Deus antes se manifestava, apenas como deus de Abraão, Isaac e Jacó, um Deus pessoal. Com o estabelecimento da aliança ele se manifesta como o único Deus que existe, exigindo que seja adorado como ùnico e não há outro além de mim. Isto, também é que te dizemos agora: não há outro deus a quem possas tu recorrer, a não ser a este nosso Deus pois não existe outro Deus. Deus é apenas um e não há outro. Esta é a novidade que Israel experimentou no deserto. Esse é o verdadeiro e único mandamento que só existe um único Deus e fora dele não existe, nunca existiu e nunca existirá outro, portnto creia no que pregamos e faça a esolha do único Deus verdadeiro e criador dos ceus e da terra e de tudo que nela existe. Acolha e receba esta verdade única. O senhor nosso Deus é o único Deus cá embaixo na terra, seja em cima no céu e não há outro.
    O povo toma posse da terra com Josué filho de Num vence seus inimigos agindo com eles o Senhor e logo depois se esquece do Deus de Abraão, Isaac e Jacó e comeca a sofrer na terra que Deus lhe dera como herança e foge da presença de seu Deus fiel buscando os ídolos vazios e se configurando com os povos que os rodeiam esquecendo da lei de amor dada no deserto durante a libertação. Deus os faz sofrer nas maos dos filisteus o povo se lembra de novo de Deus e novamente Deus ouve a suas súplica e vem em seu auxilio para lhes fazer ver que não há outro Deus além dele. Suscita para o povo juizes que lutam para libertar o povo das maos dos filisteus e vence. O povo cresce e pede um rei e Deus lhes dar Saul que fez o mal na presença do Senhor e é rejeitado, sendo ungido para seu lugar Davi um rei guerreiro que com suas vitórias sobre os reis inimigos estabelece a paz no reinado de seu filho Salomão e este constrói o templo onde se celebrara o culto ao senhor e guadara a Arca da Aliança, que são as tábuas dos mandamentos. O povo mais uma vez esquece da aliança e da promessa do Senhor Deus e é levado ao exílio na Babilônia por setenta anos e se ver diante de um novo sofrimento e Deus não fica estático, agindo e convertendo o coração deste povo novamente por meio dos profetas e anunciando uma libertação temporaria da Babilônia e uma libertação definitiva na plenitude dos tempos. Deus mesmo vai a frente do povo como um el Shadai, um senhor dos exércitos, como um forte guerreiro e liberta o seu povo das maos do rei da Babilônia e o faz voltar a terra que prometra a seus pais a Abraão, Isaac e Jacó. Deus se revela ao povo no tempo do exilio como um grande guerreiro, o El shadai, Todo poderoso. É impressionante a revelação divina no decorrer da história da salvação. Deus não se manifesta do nada como o único Deus, de forma nenhuma, mas primeiro se manifesta a um ancião dando uma terra e um filho e fazendo-lhe uma promessa de se tornará um grande povo, depois a seus filho causa de sua alegria Isaac a Jacó fazendo de seus descendente surgir o povo de Israel. Até este tempo revela-se como Deus pessoal que age e transforma a vidade da pessoa. Sem deixar de ser um Deus pessoal Ele se manifesta ao povo de sua predileção como o único Deus, demonstrando essa verdade com prodígios e portentos diante do Egito e da casa do Faraó tirando esse povo da escravidão percorrendo o deserto elimentando-os neste lugar de morte e saciandos com agua que sai da rocha e fazendo entrar na terra que mana leite e mel. Eu sou o senhor teu Deus e não há outro além de mim. Escuta Israel! No exilio diante do sofrimento do povo na Babilônia apresenta-se como o Deus dos exércitos, como um grande guerreiro com força para lutar e vencer seus inimigos libertando o povo do exilio. El Shadai, o Todo Poderoso, continua sendo um Deus que quer ter um encontro pessoal com cada um de nós desde a nossa própria realidade, em nossa vida, em nossas dores e em nossas alegrias, quer ser o nosso único Deus por meio de uma adesão real e efetiva do nosso coração a esta verdade e podermos dizer que Ele é o nosso único Deus e quando estivermos já ciente e crentes de que ele é nosso único Deus pessoal Ele passará e ser o nosso único defensor que nos tira da angustia da escravidão do pecado e do mal. Torna-se-á o nosso defensor, escudo e proteção, Deus único e verdadeiro que nos auxilia e proteje. Assim já não recorreremos a nenhuma outra criatura por mais bela que seja. E nenhuma outra coisa poderá ocupar o lugar reservado àquele que é o nosso Deus criador.

  3. Deus todo poderoso, criador de todas as coisas o único que ama verdadeiramente seus filhos pois é eterno e guia os nossos passos, pai do céu e ama- nos acima de todas as coisas esta sempre e sempre bem pertinho de nós.

  4. EU SOU O QUE SOU.
    EU SOU DEUS.
    EU SOU ETERNO.
    EU SOU A AUTO-REVELAÇÃO DE DEUS POR SI MESMO.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: